Escadas da Minha Vida

Postado em Atualizado em

boanoite

Este texto memorável é de autoria de um muito querido amigo ao qual eu me identifiquei bastante!
Se degustem com uma EXCELENTE leitura e uma senhora lição aos mais sensíveis capazes de atingir a sua profundidade!

escadas_post

Escadas da Minha Vida

Uma foto do amigo repórter João Maria Alves mostra uma escada da entrada de um prédio de estilo colonial e me faz refletir sobre aquele trecho, tão importante e tão simbólico da vida. A escada, com seus batentes, que nos faz subir e descer, entrar e sair dos mais variados ambientes. Além de tudo que pode acontecer naquele lugar onde hoje, por questão de segurança, os arquitetos procuram fazer com paredes transparentes, grandes aberturas, janelas e todo tipo de ângulo de visão. Ao mesmo tempo, a amiga Tatiana Gonçalves, do Porto – Portugal, envia foto de uma escada cujos batentes foram transformados em gavetas, utilizando melhor o espaço para guardar de tudo.

A primeira lembrança de escada me vem de quando criança atravessava uma bela alameda com eucaliptos e subia para a bela igreja de Mata Grande, situada num local bem elevado. Era um percurso inesquecível, pelo perfume e beleza do local. Em seguida, na mudança para o Rio Grande do Norte, pegamos um trem em Arco-Verde, Pernambuco, direto para Natal. Para não perder o trem, minha mãe me puxou pela mão e ao subir a escada do vagão escorreguei e minha tíbia bateu forte na quina do batente de ferro. Até hoje sinto aquela dor e sei exatamente o local da pancada.

Já morando em Natal sentia-me realizado ao conversar com os amigos na escada da Igreja de São Pedro e onde aos domingos chegava o mais cedo possível para comprar “O Poti” e a “Tribuna do Norte” para o meu irmão Wellington Medeiros. Mesma época em que conheci a bela escada que dava acesso ao primeiro andar da Escola Industrial de Natal, onde prestei exame para o Ginásio Industrial em 1966. O maior detalhe é que ao término da escada existe uma porta corrediça que depois de fechada deixa isolado quem subiu e impede a entrada de quem chegou fora de hora.

Em seguida veio a Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte, com aquelas escadas lá do portão lateral, por onde os estudantes entravam como que a cada dia subindo na vida. Depois a escada do Padre Miguelinho, que nos levava ao primeiro andar do Científico de Engenharia, após passar pela inspetora Dona Antônia. A partir de 1974, vieram as escadarias do Campus da UFRN, ambiente de tantos sonhos, de tantas lutas e conquistas.

Cada escada tem sua missão, como aquela escada do Arpege, de madeira e corrimão; a escada da Brodway, boate que existiu na rua Felipe Camarão e onde um dia errei o batente no começo da descida e terminei lá embaixo mas sem arranhões, pois era acarpetada. Da mesma forma que errei também um batente na escada interna do Incra e foi um Deus nos acuda. Graça me ajudou a levantar.

Certa vez Graça e eu tivemos de esperar horas numa escada por uma empregada que tinha a chave do apartamento onde ficamos em Brasília. Mesma época em que o chique em Natal era ir á Cidade Alta conhecer a primeira escada rolante, inaugurada nas Lojas Americanas (Ou Lobrás? – indaga a amiga Lucília Lira). E depois subíamos por anos seguidos as tradicionais escadas da Companhia Editora do Rio Grande do Norte – Cern, Imprensa Oficial do Estado, onde trabalhamos desde 1979.
As escadas marcam a gente pelas suas características e momentos que nelas passamos. Como as visitas ao Forte dos Reis Magos, passando naquela escada sem corrimão, grande aflição para quem tem aerofobia. E no Farol de Mãe Luiza, com aquele formato redondo no qual se dá inúmeras voltas para poder chegar ao parapeito e apreciar as belezas do mar potiguar.

Algumas escadas levam a outros tipos de lembranças, como aquela do Hospital São Lucas, que se sobe para visitar parentes ou amigos em tratamento, no simbolismo do patrono da medicina. As escadas do Palácio Felipe Camarão, hoje tão achincalhado pelas ocupações desnorteadas. Além do que nas redações sempre chamavam atenção ao tempo em que a sede do Governo do Estado era na Praça 7 de Setembro e todos ficavam atentos quando alguém subia as escadas do Palácio Potengi. Dependendo de quem subisse, algo importante poderia acontecer para o Estado e seu povo.

Há poucos anos escrevi crônica relatando que uma amiga nossa de origem humilde chorou ao subir as escadas da Universidade de Coimbra e ser recebida como Doutora. A curiosidade e oportunidade me fizeram passar em Coimbra e contemplar aquela bela escadaria na viagem que fizemos este ano, na qual passamos dias em Portugal. Também na Europa uma das lembranças mais fortes é da escada da Catedral de Brugges, na Bélgica, onde se sobe o equivalente a um prédio de dezessete andares sem corrimão, apoiado apenas numas tiras de sola presas às linhas. Grande aflição.

Fascina também percorrer tantas escadas pelas estações de trem e metrô, que nos levam por labirintos criados pelo tempo, nas mais variadas formas arquitetônicas. Ou as escadas da Torre de Belém, em Lisboa, de onde saiu Pedro Álvares Cabral na sua nau para descobrir o Brasil. E ainda tão íngreme escadaria do Arco do Triunfo, em Paris, tantos batentes pisados por quem fez tanta história. Ali pode-se subir por etapas, pois em pelo menos dois pontos há batentes para descansar. Mas depois pode saber também que há um elevador que leva ao mesmo destino; o grande mirante para apreciar muitas belezas de Paris.

17.11.2013
Fonte:
— Walter Medeiros – waltermedeiros@supercabo.com.br
http://www.rnsites.com.br/indexwm04.htm#Escadas_da_Minha_Vida_

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s